Agrotóxico lançado em avião tem provocado intoxicação de pessoas em dois estados Brasileiros

O Primeiro caso aconteceu no Maranhão, por meio de aviões na zona rural de Buriti/MA, moradores de dois povoados afirmam que um dos aviões jogou o veneno três dias seguidos em uma comunidade que teria cerca de 100 pessoas que vivem de agricultura familiar no estado.

Um menino de (8) Oito anos que estava na porta de casa quando um avião passou, ele diz que sentiu gotículas caírem no corpo e logo depois as coceiras e as bolhas começaram  a aprecer.

A mãe do menino, dona Antônia também foi atingida pelo veneno. Segundo os moradores, pelo menos 9 pessoas foram atingidas e parte dos atingidos começaram a sentir sintomas como, vômitos, diarreia e febre. Ninguém procurou o hospital por medo da Covid-19. “Muitos idosos alegando que sentiram falta de ar, dor de cabeça.

A Secretaria de Meio Ambiente já identificou o produtor de soja Gabriel Introvini, que contratou voos agrícolas no período investigado. Ele foi multado em R$ 273 mil por “atividade potencialmente poluente, pulverização na lavoura com uso de aeronave, sem licença da autoridade competente”.

Goiás

Trabalhadores rurais que estavam prestando serviço em uma fazenda em Bela Vista de Goiás, na Região Metropolitana de Goiânia, ficaram intoxicados durante aplicação de um produto na lavoura pulverizado por um avião.

Dois ônibus chegaram com 47 pessoas passando mal, na manhã desta sexta-feira (07), ao Hospital Municipal da cidade.

De acordo com o que os pacientes informaram à direção da unidade de saúde, um avião pulverizava um agrotóxico ainda não identificado sobre a lavoura e os trabalhadores acabaram inalando parte do produto, o que fez com que eles passassem mal em seguida.

Segundo uma enfermeira que atendeu alguns dos trabalhadores, eles apresentaram diferentes tipos de reações. Entre os sintomas estavam desmaio, vômito, dores de cabeça e tontura. Após serem atendidos no pronto-socorro da unidade, os 47 foram liberados, nenhum precisou ficar internado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *